domingo, 3 de julho de 2016

Nove regras a ignorar antes de se apaixonar - Sarah MacLean

   Olá pessoal! Tudo bem? Acabei de ler um romance de época com uma personagem com ideias um tanto diferentes do comum, uma mocinha que parece estar, como chamamos hoje em dia, na crise da meia idade, questionando sua vida, querendo fazer coisas mais ousadas... Bem, conheçam Calpúrnia Hartwell.
   Callie (como prefere ser chamada) tem 28 anos, já enfrentou uma década de temporadas fracassadas, sempre esquecida no canto dos salões de baile, juntamente com as solteironas, grupo o qual ela sente fazer parte agora, e não se sente nem um pouco feliz com essa realidade. Com uma aparência totalmente comum, olhos castanhos comuns, cabelos castanhos comuns, uma silhueta um tanto avantajada. Ela não enxerga sua aparência além disso. Considerada pacata, passiva, sempre educada demais, dentro das convenções e regras de decoro.
   Quando Mariana, sua irmã mais nova,considerada a beldade Allendale, recebe um pedido de casamento irrecusável, de um grande partido, o duque de Rivington,e ainda por cima por amor, a casa Allendale entra em festa, principalmente por parte da mãe delas. Porém, no jantar que reúne as famílias para comemorar tal acontecimento, Callie e Benedick, irmão mais velho de Callie, são os que sofrem nas garras da família com o assunto casamento, e no caso de Callie, o assunto de sua solteirice, tratada sem nenhum tipo de cerimonia ou delicadeza. Benedick é um irmão adorável, atual conde de Allendale, após a morte do pai, foi um confidente de Callie, um amigo.
   Benedick sem querer querendo, deu ideias a irmã, encorajou-a a fazer coisas inapropriadas para um dama. Callie já cansada de tanto ser educada e passiva monta uma lista, uma lista com nove itens, coisas que ela gostaria de fazer caso isso não arruinasse sua reputação. Na verdade, é um tanto engraçado os itens da lista, como beber uísque, fumar charuto, esgrimir e beijar apaixonadamente, espera aí, beijar? Sim pessoal, beijar! Ela nunca foi beijada e aos 28 anos de idade, ela quer fazer isso. Por que não, já que tanto tempo sendo tão comportada não conseguiu um casamento?
   Sua aventura começa e começa pelo mais ousado, que seria beijar, Calpúrnia se arrisca no meio da noite para procurar o maior libertino de Londres para lhe pedir um beijo! Nesse encontro eles farão um acordo, de que Callie ajude Gabriel, marquês de Ralston, a lançar sua irmã recém descoberta na alta-roda, e Gabriel dê o que ela lhe pede.


"Podia ir para a cama, se afogar em xerez e lágrimas e passar o resto da vida não apenas se arrependendo de sua inação, mas - pior - sabendo que todos a consideravam passiva. Ou podia mudar."  
   Juliana, irmã do marquês, é uma moça doce, e rapidamente ela e Callie se tornam amigas e a proximidade entre as duas também causa proximidade entre ela e Gabriel. Ele vai influenciar e muito nos acontecimentos da lista. Fazendo com que eles se envolvam cada dia mais, fazendo-a se sentir mais viva, mais ousada, mais dona de si e claro mais apaixonada por ele! Ele que não acredita no amor por ver seu pai sofrer tanto por amor e ter visto sua mãe abandoná-los sem dó nem piedade, vai descobrir que amor pode ser generoso, pode ser bom. Vai descobrir que Callie é mais do que uma moça sem graça e educada. E nós vamos nos apaixonar por esse casal, que ás vezes briga, ás vezes estão bem de novo...
"Seu coração ficou apertado ao perceber que Gabriel fora parte integral dessa nova Callie, audaciosa, aventureira, que ele havia guiado por cada item no papel. Ela mudara para sempre por causa dele." 
   O único ponto que me incomodou um pouco foi a sensualidade do romance, achei sensual demais, mas acho que vai de gosto, eu prefiro um pouco menos sensual, então me incomodou um pouco, achei que poderia ter sido com um pouco mais de conversa e tudo mais, mas também entendo que faz parte da história já que lady Calpúrnia estava passando por momentos de se descobrir, se sentir mais feminina. Uma coisa que percebemos é o quanto ela pode ser insistente, determinada, corajosa! Não há nada de passivo nela, ela não é apenas uma mocinha sem graça de nome extravagante, ela pode e se tornou muito mais do que isso. Ela foi ousada até mesmo para os tempos atuais, imaginem para aquela época, onde as regras eram muito mais rígidas com as moças!
   Esse livro é o primeiro da trilogia "Os números do amor".

5 comentários:

  1. Olá, Gabriela!
    Sou uma amante dos romances de época, eu simplesmente quero ler todos rsrs
    Ainda não conheço a escrita da autora, mas tenho uma enorme curiosidade para ler algo dela!
    Nove regras parece incrível e já está nos meus desejados desde o lançamento. Que bom que gostou da leitura, mais uma recomendação positiva!
    Abraço!!!

    ResponderExcluir
  2. Oi Cailes! Ah, então tenho certeza de que vai adorar, a escrita dela é bem fluída. Depois conte o que achou dele :) Beijooos e ótima leitura!

    ResponderExcluir
  3. Os romances de época atuais, todos usam de muita sensualidade. Alguns fazem sucesso por causa disso, outros tem conteúdo. Mas amo livros assim, vai do gosto de cada um. Parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade! Eu também tenho reparado essa frequência, mas mesmo não gostando tanto não tiram o brilho e valor desse gênero. Muito obrigada querida :)

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir